A Eucaristia é fonte e centro de toda a vida cristã. Nela está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, o próprio Cristo.

A Festa de “Corpus Christi” é a celebração em que a Igreja, solenemente, comemora o Santíssimo Sacramento da Eucaristia. É o único dia do ano em que o Santíssimo Sacramento sai em procissão por nossas ruas, onde temos a oportunidade de louvar e bendizer o Senhor pelo dom inestimável da Eucaristia, na qual o próprio Senhor se torna alimento e remédio para cada um de nós.


Recordemos um pouco a história: A Festa de Corpus Christi surgiu no século XIII, na Diocese de Liège, na Bélgica, por iniciativa da freira Juliana de Mont Cornillon (+1258), que recebia visões, nas quais o próprio Jesus lhe pedia uma festa litúrgica anual em honra à Sagrada Eucaristia.

Na Itália, quando o padre Pedro de Praga, da Boêmia, celebrou uma Missa na cripta de Santa Cristina, em Bolsena, ocorreu um milagre eucarístico: da hóstia consagrada começaram a cair gotas de sangue sobre o corporal após a consagração. Dizem que isto ocorreu porque o padre teria duvidado da presença real de Cristo na Eucaristia. O Papa Urbano IV (1262-1264), que residia em Orvieto, cidade próxima de Bolsena, onde vivia São Tomás de Aquino, ordenou ao bispo Giácomo que levasse as relíquias de Bolsena a Orvieto. Isso foi feito em procissão. Quando o papa encontrou a procissão na entrada de Orvieto, pronunciou diante da relíquia eucarística as palavras: “Corpus Christi”.

Em 11 de agosto de 1264, o papa aprovou a bula “Transiturus de mundo”, onde prescreveu que na 5ª feira após a oitava de Pentecostes, fosse oficialmente celebrada a festa em honra do Corpo do Senhor. São Tomás de Aquino foi encarregado pelo papa para compor o ofício da celebração.

Em 1290, foi construída a belíssima catedral de Orvieto, em pedras pretas e brancas, chamada de “Lírio das catedrais”. Antes disso, em 1247, realizou-se a primeira procissão eucarística pelas ruas de Liège, como festa Diocesana, tornando-se depois uma festa litúrgica celebrada em toda a Bélgica, e depois, então, em todo o mundo no séc. XIV, quando o Papa Clemente V confirmou a Bula de Urbano IV, tornando a Festa da Eucaristia um dever canônico mundial.

Em 1317, o Papa João XXII publicou na Constituição Clementina o dever de se levar a Eucaristia em procissão pelas vias públicas. A partir da oficialização, a Festa de Corpus Christi passou a ser celebrada todos os anos na primeira quinta-feira após o domingo da Santíssima Trindade.


Todos somos convidados a participar dessa procissão, uma vez que esta é a mais importante de todas, uma vez que é a única em que próprio Senhor sai às ruas para abençoar as pessoas, as famílias e a cidade. Em muitos lugares encontramos o costume de se enfeitar as casas com oratórios e flores e as ruas com tapetes ornamentados, tudo em honra do Senhor que vem visitar o seu povo.

Começaram, assim, as grandes procissões eucarísticas, as adorações solenes, a bênção com o Santíssimo no ostensório por entre cânticos. Surgiram também os congressos eucarísticos, e inúmeras outras homenagens a Jesus na eucaristia.


O papa Francisco nos ensina: “A festa do corpo de Deus é um mistério de atração a Cristo e de transformação nEle… toda vez que celebramos a Eucaristia, mediante este sacramento tão sóbrio e, ao mesmo tempo, tão solene, fazemos experiência da nova aliança, que realiza plenamente a comunhão entre Deus e nós”. Acrescenta ainda: “Toda eucaristia constitui um ato de culto público a Deus, evoca a vida e as vicissitudes concretas da nossa existência”.
“Que o Santo Sacramento, que é o próprio Jesus, seja adorado e seja amado nesta terra de Santa Cruz!”

Fraternalmente,

Padre Heldeir Gomes Carneiro
Chanceler da Diocese de Porto Nacional (TO)
Coordenador Nacional do Ministério Cristo Sacerdote da RCCBRASIL

Fonte: www.rccbrasil.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *