Cidades suspendem abastecimento de água após lama atingir Rio Doce

Na cidade de Governador Valadares (MG), a população faz filas para comprar água mineral e reclama da falta de uma solução para o problema. A cidade fica a 300 quilômetros do município onde as barragens se romperam, tem 280 mil habitantes e a água precisou ser cortada após o fluxo de lama com rejeitos de mineração atingir o rio, que é a principal fonte de abastecimento local. O município decretou estado de calamidade pública e é o local mais afetado pela interrupção do abastecimento de água.

Nessa quinta-feira, 12, moradores protestaram contra a Vale, que junto com a mineradora BHP controla a Samarco, responsável pelas barragens que se romperam em Mariana. Eles bloquearam a linha férrea usada pela mineradora, pedindo uma solução para a falta de abastecimento.

A prefeitura de Governador Valadares informou que fez um projeto para captar água de outros rios. Enquanto isso não ocorre, 38 caminhões-pipa percorrem cidades da região, para encher os tanques, e retornam a Valadares para, prioritariamente, abastecer hospitais e estabelecimentos como escolas e creches.

A Samarco informou que enviou ao município mais de 2,5 milhões litros de água para ajudar no abastecimento, além de 13 mil litros de água potável, e que a partir de hoje enviará 2,4 milhões de litros por dia.

Espírito Santo

Neste fim de semana, a lama deverá interromper o abastecimento de água nas cidades capixabas de Baixo Gandu e Colatina, no Espírito Santo, segundo a Secretaria de Desenvolvimento do estado.

Fonte:  noticias.cancaonova.com e Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *