Diácono da Diocese de Jundiaí esteve com o Papa

O Diácono Mauro Nunes da Silva, da Paróquia São Paulo Apóstolo, de Cajamar, representou a Diocese de Jundiaí durante o Jubileu dos Diáconos, em Roma, entre os dias 27 e 29 de maio.

Para sua grande alegria, ele foi um dos 30 diáconos sorteados para estar frente a frente com o Papa Francisco. Mais de dois mil diáconos de todo o mundo participaram do evento, que faz parte do Ano Santo da Misericórdia.

Este Jubileu dos diáconos, homens, que por vocação e ministério, estão intimamente ligados às obras de caridade na vida da comunidade cristã, foi um estímulo para dar testemunho da “misericórdia como fundamento da vida da Igreja.

O lema deste Ano Santo “Misericordiosos como o Pai”, extraído do Evangelho de Lucas, foi um convite a seguir o exemplo do Pai misericordioso, que nos pede para não julgar ou condenar, mas para perdoar e amar sem medida.

O Jubileu dos Diáconos terminou neste domingo (29 de maio), na Praça de São Pedro, com uma solene celebração Eucarística, presidida pelo Papa Francisco, seguida pela oração mariana do Angelus.

Servir é assumir o estilo de Deus

A esplanada da Basílica de São Pedro pintou-se de branco na manhã deste domingo com as vestimentas dos diáconos e sobre as quais sobressaía o emblema deste Ano Jubilar da Misericórdia. Vieram numerosos, de várias partes do mundo, acompanhados por familiares, para os três dias de Jubileu a eles dedicados e que se concluíram com Missa presidida na Praça de São Pedro pelo Santo Padre.

Na sua homilia Francisco recordou-lhes o espírito de serviço que deve animar o seu ser diáconos, indicou os passos principais nesta caminhada, encorajou na oração e sugeriu alguns modelos a seguir: antes de mais Cristo que “se fez diácono de todos”, que se fez “nosso servo”. Assim também “são chamados a fazer os seus anunciadores”. Aliás, apóstolo e servidor são dois termos que não podem ser separados, disse o Papa, citando a carta de São Paulo aos Gálatas. “Quem anuncia Jesus é chamado a servir e quem serve anuncia Jesus” . Há, portanto, que imitar Cristo.

“Por outras palavras, se evangelizar é a missão confiada a cada cristão pelo Batismo, servir é o estilo com o qual viver essa missão, o único modo de ser discípulos de Jesus. É seu testemunho quem faz como Ele: quem serve os irmãos e as irmãs, sem se cansar de Cristo humilde, sem se cansar da vida cristã que é vida de serviço”.

Por onde começar, então, para se tornar “servos bons e fiéis” ? – perguntou-se o Papa, logo respondendo que, antes de mais, é preciso disponibilidade, quer dizer não permanecer agarrado ao próprio tempo, não ser escravo de uma agenda pré-definida, mas doar a vida, ser dócil de coração, estar sempre pronto para o irmão e aberto ao imprevisto, que nunca falta, e é muitas vezes a surpresa quotidiana de Deus. Saber abrir as portas mesmo a quem chega fora de horário, pois o servidor é aberto às surpresas quotidianas de Deus, disse o Papa sublinhando que se sente amargurado quando vê que uma paróquia está aberta da hora tal á hora tal e que para além desse horário não há padres, diácono, ou leigo para receber as pessoas… Isto faz doer o coração – disse, encorajando os diáconos a transgredirem os horários, mesmo quando isso interfere com o merecido repouso:

“Assim, caros diáconos, vivendo na disponibilidade, o vosso serviço será privo de interesses pessoais e a evangelização será fecunda” .

O Papa recordou depois que o Evangelho deste domingo fala de serviço indicando dois exemplos de humildade a seguir: o servo do centurião e o próprio centurião que disse não se sentiu digno que Jesus se deslocasse à sua casa. Palavras que tocaram Jesus, pela sua mansidão, discrição, pequenez, tal “como é o estilo de Deus” que “é manso e humilde de coração” – insistiu dizendo que a mansidão é uma das virtudes do diácono, diácono que a seu ver não deve imitar o padre, mas ser humilde, manso. E recordou que Deus que é amor, por amor chega mesmo a servir-nos: é paciente connosco, benévolo, sempre pronto e bem disposto, sofre pelos nossos erros e procura a via para nos ajudar a melhorar.

“Estas são as características benignas e humildes do serviço cristão que é imitar Deus servindo os outros: acolhendo-os com amor paciente, compreendendo-os sem se cansar, fazendo-lhes sentir-se acolhidos, em casa, na comunidade eclesial, onde não é grande quem manda, mas quem serve. E nunca repreender, nunca! Assim, caros diáconos, na benignidade, amadurecerá a vossa vocação de ministros da caridade”.

Para além do apóstolo Paulo e do centurião, o Papa falou ainda dum terceiro servo que as leituras deste dia nos apresentam: aquele que é curado por Jesus. Mais que a doença física, Francisco orientou a reflexão para a saúde do coração, necessária para “ser hábeis servidores” – disse . “Um coração sanado por Deus, que se sinta perdoado e não seja fechado, nem duro”.

E Francisco recomendou e encorajou aos diáconos a pedirem isso a Jesus todos os dias na oração, uma oração, confiante, na qual apresentar as fadigas, os imprevistos, os cansaços e as esperanças: “uma oração verdadeira, que leve a vida ao Senhor e o Senhor à vida” – frisou, rematando:

“Assim, disponíveis na vida, benignos no coração e em constante diálogo com Jesus, não tereis medo de ser servidores de Cristo, de encontrar e acariciar a carne do Senhor nos pobres de hoje”

Fonte: www.dj.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *