Santo Sudário leva multidão de peregrinos a Turim

A previsão é que 2 milhões de pessoas se desloquem ao local até o dia 24 de junho; O Santo Sudário está exposto na Catedral de Turim, Itália

Da redação, com Agência Ecclesia

O Santo Sudário está exposto na Catedral de Turim, Itália, desde  segunda-feira, 20, cinco anos depois da última ostensão pública, prevendo-se que 2 milhões de pessoas se desloquem ao local até 24 de junho.

O Papa Francisco visitará a exposição na cidade italiana dia 21 de junho. O Santo Padre visa assinalar o segundo centenário do nascimento de São João Bosco, fundador dos Salesianos.

““Hoje começa em Turim  a solene ostensão do sagrado Sudário. Também eu, se Deus quiser, irei me deslocar para o venerar no próximo dia 21 de junho. Desejo que este ato de veneração nos ajude a encontrar em Jesus Cristo o rosto misericordioso de Deus e a reconhecê-lo nos rostos dos nossos irmãos, especialmente os que mais sofrem”, disse Francisco, ao meio-dia deste domingo, 19, perante milhares de peregrinos reunidos na Praça de São Pedro para a oração do ‘Regina Caeli’.

Em março de 2013, o Papa gravou uma mensagem para a segunda exposição televisiva do Sudário, na qual sublinhou o alcance dos olhos do ressuscitado e fez lembrar todos os que sofrem.

“O Rosto do Sudário comunica uma grande paz; este Corpo torturado exprime uma soberana majestade. É como se deixasse transparecer uma energia refreada mas poderosa, é como se nos dissesse: tem confiança, não percas a esperança; a força do amor de Deus, a força do Ressuscitado tudo vence”, referiu.

Mais de 2 milhões de peregrinos provenientes de todo o mundo estiveram diante do Sudário em 2010, ano em que esteve exposto ao público e recebeu a visita de Bento XVI.
As visitas são gratuitas, mas exigem uma reserva prévia, o que já foi feito por mais de um milhão de pessoas, segundo a organização.

O pano de linho com quatro metros e 36 centímetros de comprimento por um metro e 10 centímetros de largura foi submetido, em 1989, ao teste do carbono-14 em três laboratórios da Suíça, Estados Unidos e Reino Unido, cujos resultados datavam o tecido como sendo do período 1260 a 1390.

Leia mais
.: Catedral de Turim inicia preparativos para exposição do Sudário

Vários especialistas criticaram os testes, frisando que os três pedaços do tecido que foram cortados, naquela ocasião, para servir de amostra para o teste, eram das pontas, ou seja, a parte pela qual o manto foi suspenso nas várias ocasiões em que foi apresentado aos fiéis ao longo dos séculos.

Em 2011, a agência italiana para as novas tecnologias e desenvolvimento sustentável (ENEA) anunciou as conclusões de um trabalho de cinco anos sobre a formação da imagem que se vê no Sudário, tentando a sua reprodução.

“A imagem dupla (frente e verso) de um homem flagelado e crucificado, pouco visível no pano de linho do , teSudário de Turimm muitas características físicas e químicas (…) é impossível de obter em laboratório “, afirmaram os especialistas da ENEA.

O Centro Português de Sindonologia, associação cultural sem fins lucrativos dedicada ao estudo e divulgação do Santo Sudário de Turim, refere em comunicado que “a imagem tem atributos ímpares, tais como comportar-se como um negativo fotográfico e possuir codificação ‘3D’ só extraível por métodos de processamento informático de imagem existentes em finais do século XX”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *