Veja o que João Paulo II disse aos jovens na primeira JMJ na Polônia

São João Paulo II falou aos jovens motivando-os à liberdade após anos vividos sob regime comunista totalitário.

Em 1991, a Polônia recebeu pela primeira vez a Jornada Mundial da Juventude, na cidade de Czestochowa. São João Paulo II, que era polonês, reuniu a juventude do mundo todo em seu país natal.

joao paulo 002.fw

Em sua mensagem aos jovens, por ocasião da VI Jornada Mundial da Juventude, o Papa da Misericórdia – como também foi conhecido – quis trazer esperança e dignidade ao povo europeu que acabara de sair de um regime político opressor: o comunismo.

O tema daquela Jornada era este: “Haveis recebido um espírito de filhos”, texto bíblico de Romanos 8, 15. João Paulo II, segundo ele mesmo diz, desejou que esta afirmação “surpreendesse” aos jovens, inspirando-os a uma experiência de filiação e, por consequência, de santidade, de amor fraterno e de liberdade. Nesta ordem, o Pontífice explicou aos jovens os reais efeitos do “ser filho de Deus”.

Ele destacou o papel do Espírito Santo como “verdadeiro protagonista de nossa filiação divina”, gerando o homem para a vida nova nas águas do batismo. E recordou as palavras “proféticas” do Concílio Vaticano II que diz: “O Espírito de Deus, que com admirável providência, orienta o decorrer do tempo e renova a face da terra, não é indiferente à evolução”.

“O mundo que, às portas do ano 2000, está buscando ansiosamente os caminhos para uma convivência mais solidária, tem urgente necessidade de poder contar com pessoas que, graças ao Espírito Santo, vivam com verdadeiros filhos de Deus”, escreveu o Santo Padre, João Paulo II.

Em seguida, pontuou as heranças da filiação divina. A primeira delas é a santidade. O Papa recordou o que disse aos jovens em Santiago de Compostela: “Não tenham medo de ser santos. Voem alto, estejam entre aqueles que olham metas dignas dos filhos de Deus. Glorifiquem a Deus com vossas vidas!”.

A segunda herança apontada pelo Papa é o amor fraterno. “Não é disso que o mundo de hoje necessita?”, pergunta na mensagem. “Se adverte fortemente, no interior das nações, um grande desejo de unidade que rompa toda barreira de indiferença e ódio. E corresponde em particular a vocês, jovens, a grande tarefa de construir uma sociedade mais justa e solidária”.

Por fim, o Papa disse que a prerrogativa dos filhos de Deus é a liberdade. Mas, “quantas formas de liberdade conduzem à escravidão!”, afirmou o Pontífice, destacando que Jesus Cristo é Aquele que traz a liberdade ao homem, baseada na verdade.

Como dito, 1991 foi marcado pelo início de um novo tempo, sem a influência do comunismo no Leste Europeu. A Igreja e os próprios poloneses consideram que São João Paulo II foi peça chave para o desmoronamento instantâneo do comunismo no Velho Continente. Segundo “O livro negro do comunismo” (Stephan Courtois, Ed. Bertrand Roussel, 2005), 100 milhões de pessoas morreram na Rússia, China, Hungria, Tchecoslováquia, Iugoslávia, Romênia, Bulgária, Polônia, Cuba, Vietnam, Laos, Cambodja, etc, vítimas deste flagelo.

Nesse contexto, João Paulo II falou aos jovens sobre a importância da liberdade exterior. “É importante e necessária a liberdade exterior, garantida por leis civis justas, e por isso com razão, nos alegramos de que hoje aumente o número dos países onde se respeitam os direitos fundamentais da pessoa humana, embora às vezes o preço dessa liberdade tenha custado grandes sacrifícios e incluindo sangue”.

Por outro lado, disse o Pontífice, a liberdade exterior – apesar de tão preciosa – por si só não basta. “Em suas raízes deve estar sempre a liberdade interior, própria dos filhos de Deus que vivem segundo o Espírito, guiados por uma reta consciência moral, capazes de escolher o bem verdadeiro. ‘Onde está o Espírito do Senhor, ali está a liberdade’ (2 Cor 3,17). É este, queridos jovens, o único caminho para construir uma humanidade madura e digna deste nome”.

Cerca de 1,5 milhão de pessoas participaram da Jornada no santuário mariano da cidade polonesa de Czestochowa. Depois da queda da “cortina de ferro”, essa foi a primeira ocasião em que os jovens do Leste Europeu puderam participar sem problemas do evento.

“O Velho Continente aposta em vós, jovens da Europa Oriental e Ocidental, para construir esta ‘casa comum’ que deve contribuir para um futuro de solidariedade e de paz. (…) Para a prosperidade das gerações vindouras, é preciso que a nova Europa se baseie no fundamento dos valores espirituais que constituem o núcleo mais íntimo de sua tradição cultural”, disse-lhes o Papa João Paulo II.

Fonte : noticias.cancaonova.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *